A COMUNICAÇÃO NA FAMÍLIA

A COMUNICAÇÃO NA FAMÍLIA

pastoral36A COMUNICAÇÃO NA FAMÍLIA

“Põe guarda, Senhor, à minha boca; vigia a porta dos meus lábios” (Sl. 141.3)

Vivemos na era da informação e da facilidade em acessar os meios de comunicação, mas temos assistido para nossa vergonha e tristeza, a decadência da comunicação em todos os setores da sociedade, principalmente na família. Estamos cansados de saber que um dos grandes segredospara um casamento e uma família feliz é a comunicação. Livros nos chamam a atenção para esta questão, pastores e conselheiros matrimoniais pregamem congressos para família e em retiros para casais as virtudes de uma boa comunicação no lar. Ainda assim existem pessoas, esposas em sua grande maioria, que reclamam de seus cônjuges e cobram um maior diálogo dentro do lar.

A comunicação é de vital importância e precisa ser prioridade em nossos relacionamentos, principalmente em nosso lar. Sabemos que o segredo de uma boa comunicação se resume em enviar e receber mensagens, e por esta causa,precisamos fazer isto com maestria, pois seja na linguagem falada, escrita ou até mesmo na linguagem corporal, a nossa comunicação só terá êxito quando a outra pessoa compreender o que estamos querendo dizer.

Os erros mais comuns que cometemos quando nos comunicamos são:

 

  • Falar o que é certo, mas na hora errada; (“Põe guarda, Senhor, à minha boca; vigia a porta dos meus lábios” -Sl. 141.3);
  • Falar, quando deveríamos ouvir e ficar calados; (“No muito falar não falta transgressão, mas o que modera os lábios é prudente” – Pv. 10.19);

3)Falar o que é certo, mas com o tom errado; (“A vossa palavra seja sempre agradável, temperada com sal, para saberdes como deveis responder a cada um” – Cl 4.6);

4)Ficar em silêncio, quando deveríamos falar. (“pelo contrário, exortai-vos mutuamente cada dia, durante o tempo que se chama Hoje, a fim de que nenhum de vós seja endurecido pelo engano do pecado” – Hb 3.13).

 

Aprendemos na Epístola de Paulo aosColossenses:“Avossa palavra sejasempre agradável, temperada com sal, para saberdes como deveis responder a cada um” (Cl 4.6). Da nossa boca não deve sair palavras torpes, mas unicamente palavras para edificação, conforme a necessidade, a fim de transmitir graça aos que ouvem. Devemos ter linguagem sã e irrepreensível (Tito 2.8) e, precisamos ainda, estar atentos à epístola de Tiago 1. 9 “…todo homem, pois seja pronto para ouvir, tardio para falar…”. Quem fala precipitadamente, sem refletir, poderá causar muitos males ou dissabores. Muitas vezes precisamos orar como o salmista: “Põe guarda, Senhor, à minha boca; vigia a porta dos meus lábios”.

Uma boa comunicação no lar, tem o poder de influenciar os filhos, produz paz e bemestar em casa, esclarece dúvidas e ao mesmo tempo cria um ambiente de confiança entre os membros da família e tudo isto redunda em honra e glória para o Senhor Jesus.

Como tem sido a nossa comunicação? O que temos feito para melhorá-la? Estamos dispostos a refletir sobre o assunto e colocarmos em prática a boa comunicação? Que nossa resposta seja positiva e que nos comuniquemos para a glória de Deus e o bem estar de nossa família e que a nossa oração seja: “As palavras dos meus lábios e o meditar do meu coração sejam agradáveis na tua presença, Senhor, rocha minha e redentor meu!” (Sl 19.14)

 

Sem. Fábio Borges Coutinho

 

 

 

 

 

One Comment

  1. Sonia Dangas

    Muito bom a sua pastoral, Pastor Fábio. Pena que chegou tão tarde em minha vida. Mas com certeza vai ajudar muitas outras pessoas na hora certa!

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *