A Lei e a Obediência

A Lei e a Obediência

Você consegue se imaginar vivendo em uma sociedade sem leis? Talvez alguns, por brincadeira ou ingenuidade, respondam que sim. Contudo, o fato é que não podemos caminhar sem algum tipo de lei ou norma, caso contrário, o resultado seria o caos. As leis são extremamente necessárias, pois elas ditam as “regras do jogo”, permitem que vivamos bem em sociedade e que tenhamos um mundo com mais equidade para todos.

No âmbito espiritual, também temos leis que regem a nossa conduta cristã. O destaque são os Dez mandamentos, do qual as demais leis são derivadas.  Dado que a vida abundante em Cristo não acontece automaticamente, o cristão tem uma responsabilidade e uma tarefa a cumprir, ou seja, a obediência às leis de Deus. Aliás, a lei de Deus é uma expressão do Seu caráter santo, puro e moral. Por isso, a lei é eterna, justa e perfeita, pois o seu Legislador detém todos esses atributos. Por essa razão, precisamos obedecê-la, pois aqueles que se negam a fazê-lo, estão em franca desobediência a Deus e sujeitos ao julgamento e condenação oriundos dessa lei (Tg 2.10-11).

Entretanto, a tarefa de identificar, interpretar e aplicar a lei de Deus é bastante complexa e exige que façamos uma análise de toda a Escritura, para que sejamos coerentes com o que o Senhor deseja do seu povo. Analisada seriamente, a lei será aplicada corretamente e mostrará o caminho para a restauração e salvação. Como disse o salmista: “A lei do SENHOR é perfeita e restaura a alma” (Sl 19.7 a).

Diante de tão profundo desafio, o que faremos? Alguns erroneamente abraçam o antinomismo (significa, literalmente ser contra a lei) esses são os que dizem, sem nenhum discernimento ou análise bíblica, que o fim da lei é Cristo, que vivemos no tempo da graça e não devemos observar a lei de Deus. Mas, os verdadeiros fiéis respeitam e obedecem aos preceitos divinos, entendendo como o apóstolo Paulo – “Por conseguinte, a lei é santa; e o mandamento, santo, e justo, e bom”. (Rm 7.12). Entendem ainda, que devem observar a lei, não para a salvação, mas por amor a Deus, pois só Cristo foi capaz de cumprir toda a lei, e é por causa de Seus méritos que haverá salvação.

Como proceder? Será que o melhor é ignorar a Lei e dizer não à obediência? Certamente não! Comparando, seria agir da mesma forma com a qual algumas pessoas agem quando evitam ir ao médico e fazer exames para que não tenham más notícias. Pensam que, ao ignorar os sintomas de sua doença ela desaparecerá e assim não a tratam e morrem por causa disso. Através da lei, somos expostos à nossa maior doença – o pecado, e reconhecemos a nossa carência, impossibilidade de cura e somos apresentados a Cristo Jesus, o único capaz de nos curar da enfermidade do pecado (Jo 1.29).

Infelizmente, não é possível esgotar aqui todas as vertentes sobre o assunto e as dúvidas que surgem quando nos aprofundamos mais nesse tema. Mas, a título de indicação do melhor e mais bíblico caminho a seguir, quero orientar a você o que é considerado o melhor caminho:

  • Devemos observar os servos de Deus no Antigo Testamento: Quando focamos a nossa atenção em Abraão, Isaque, Jacó, Noé, Moisés, Josué, Jó, etc, verificamos que esses homens buscavam obedecer toda a vontade de Deus expressa em sua lei (Dt 6.4-9);
  • Devemos observar os servos de Deus no Novo Testamento: Os apóstolos ao ensinar a igreja, foram firmes em passar para eles tudo o que Cristo Jesus ensinou e nunca negaram a lei (Rm 3.31). Os cristãos da chamada Igreja Primitiva, viviam em atenção e obediência ao ensino dos apóstolos (Atos 2.42) e com certeza, a lei fazia parte dessa instrução.
  • Devemos observar o nosso Senhor Jesus: Jesus, no chamado Sermão do Monte, ao falar sobre a lei declarou: “Não penseis que vim revogar a Lei ou os profetas; não vim para revogar, vim para cumprir”. (Mt 5.17). O Senhor Jesus cumpriu toda a Lei e por essa razão tem poder para salvar e conduzir ao Pai, os que nele creem.

Através da lei de Deus, somos desafiados a amar a Deus e aos nossos semelhantes, somos encaminhados ao Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo – Jesus – e ainda nos deparamos com o caráter, com o coração, com a revelação de Deus ao homem – através de Cristo e de Sua Palavra. Por fim, somos instruídos, a cada instante, pelo próprio Espírito Santo de Deus. Nada se compara à alegria de conhecer a Deus e buscar obedecer a sua Lei.

Pr. Fábio Coutinho

0 Comments

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *