Amedrontados pelo Medo

Amedrontados pelo Medo

“O Senhor é a minha luz e a minha salvação; de quem terei medo? O Senhor é a fortaleza da minha vida; a quem temerei?” (Sl 27.1)

Você já teve medo de alguma coisa em sua vida? Se sua resposta for “sim”, você é uma pessoa perfeitamente normal. O medo é um sentimento presente na vida de todas as pessoas. Em algum momento de sua vida você já temeu, está temendo ou temerá algo ou alguém.

Segundo Emílio Mira Y López, um dos mais destacados estudiosos do comportamento humano, o medo é apontado como o maior inimigo do homem. O medo trabalha contra sua vida, algumas vezes limitando sua criatividade, escravizando sua vontade e interrompendo suas potencialidades. Por outro lado, o medo também ataca nossas convicções espirituais e nos mantém reféns de nosso arqui-inimigo, Satanás, e impede-nos muitas vezes de desfrutar das verdades consoladoras da fé.

É preciso destacar que, de certa forma, o medo é algo bom, pois é um mecanismo de sobrevivência que nos distancia de determinados perigos e poupa nossa vida de acidentes e até mesmo da própria morte. Um outro aspecto do medo se dá quando, através dele, a nossa limitação e fraqueza são expostas, somos tomados por aflição e pavor como se estivéssemos sendo cobertos por um manto denso e negro que sufoca a nossa vida paralisando as nossas ações. Neste momento, devemos lembrar de nosso Senhor.

Muitos irmãos nossos do passado passaram pela experiência do medo, dentre eles: Davi, que foi perseguido por Saul, pelos seus inimigos e até mesmo pelo seu próprio filho; Ezequias, quando se viu cercado pelo grande exército de Senaqueribe rei da Assíria; Josué, que foi um grande líder do povo de Deus e que diante da morte de Moisés e do desafio de prosseguir a jornada com seu povo, rumo à terra prometida, temeu. Nestas ocasiões, a palavra do Senhor aos seus amados sempre foi “não temas”, e em todas essas ocasiões, Deus demonstrou o seu poder em proporcionar livramento, consolo, ânimo e coragem aos seus servos.

Diante do medo que constantemente nos assalta, temos em Deus o nosso porto seguro, refúgio e amparo. No capítulo 43.1-2, de seu livro, o profeta Isaías, inspirado pelo Espirito do Senhor, nos diz: “Mas agora, assim diz o SENHOR, que te criou, ó Jacó, e que te formou, ó Israel: Não temas, porque eu te remi; chamei-te pelo teu nome, tu és meu. Quando passares pelas águas, eu serei contigo; quando, pelos rios, eles não te submergirão; quando passares pelo fogo, não te queimarás, nem a chama arderá em ti”.

Nesse texto ele ensina lições preciosas para lidarmos com este gigante que tanto nos afeta. Isaías demonstra a graça de Deus para com Israel, que também se aplica a todos os seus filhos amados. Vejamos:

1) Estamos seguros, em Deus, porque Ele nos criou: O nosso criador é também o sustentador e o guarda de nossas vidas. Podemos desfrutar da segurança e da companhia Daquele que nos formou.

2) Estamos seguros, em Deus, porque Ele nos chamou: Aquele que nos amou, também nos chamou e nos escolheu Nele, antes da fundação do mundo, e irá cuidar de nossa vida até o fim.

3) Estamos seguros, em Deus, porque Ele nos remiu: Fomos lavados e remidos com o precioso sangue de Jesus, o nosso Redentor e Salvador bendito e eterno.

4) Estamos seguros, em Deus, porque Ele está conosco: Se passarmos pelos vales e pelos rios caudalosos da vida, Ele estará conosco nos ajudando, auxiliando, encorajando e sendo o nosso pastor. Após a vinda de Jesus, temos a Sua promessa de que estaria conosco todos os dias até a consumação dos séculos e ainda nos enviou o Consolador, o Espírito Santo de Deus, para fazer morada em nós.

Quando o medo do futuro, da velhice, da solidão, da doença, da perda, da morte vier assaltar o seu coração, lembre-se: Deus é o Senhor do passado, do presente, mas também do futuro. Não precisamos temer o amanhã. Deus está presente nele. Não precisamos viver amedrontados diante das circunstâncias da vida, o que precisamos é crer, tirar os olhos das circunstâncias que nos cercam e mirar firmemente no autor e consumador de nossa fé, Jesus Cristo.

Pr. Fábio Borges Coutinho

0 Comments

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *