O Deus (Extra) Ordinário

O Deus (Extra) Ordinário

Recentemente, li um estudo sobre a relação entre ataques cardíacos e os dias da semana. Em resumo, notou-se que, por vários fatores, a maioria dos ataques do coração em humanos acontecia nas segundas-feiras[1]. De acordo os pesquisadores, então, mantidas as condições, essa tendência continuará se mostrando provável na sociedade ocidental contemporânea.

O problema, a meu ver, é que estudos desse tipo, que visam identificar alguns padrões ordinários presentes na realidade criada, podem passar a impressão de que o universo é autônomo e mecânico, sob o qual Deus não tem poder ou bondade suficientes para intervir em seu sistema ordinário de funcionamento. Essa impressão é, na verdade, o oposto do que a Escritura Sagrada nos revela sobre Deus.

Contudo, o aparente contraste entre a providência divina (a crença de que Deus não somente criou o universo, mas continua governando-o) e a ordinariedade do mundo não é novo. Outros cristãos já lidaram com isso. A Confissão de Fé de Westminster, por exemplo, propôs o seguinte: “Posto que, em relação à presciência e ao decreto de Deus, que é a causa primária, todas as coisas acontecem imutável e infalivelmente, contudo, pela mesma providência, Deus ordena que elas sucedam conforme a natureza das causas secundárias, necessárias, livre ou contingentemente”[2].

Em outras palavras, a CFW afirma que Deus é o Senhor de tudo no universo (causa primária), até mesmo daquilo que é ordinário, comum, como as leis que ele mesmo estabeleceu (causas secundárias). Portanto, nenhum padrão identificado por nós, por mais generalizado, mecânico e frio que pareça, está fora de sua vontade e controle. Ou seja, não há ataques do coração nas segundas-feiras que fujam à sua presciência e decreto.

Tendo isso em mente, proponho abaixo apenas duas reflexões para pensarmos mais biblicamente sobre a relação que Deus tem com a sua criação e como isso afeta o nosso modo de viver.

  1. Deus é Senhor do ordinário e do extraordinário. Por vezes, enfatizamos o extraordinário poder de Deus (como a Bíblia nos revela) e acabamos nos esquecendo de seu poder ordinário – visível e cognoscível. É exatamente essa falta de percepção sobre o poder ordinário de Deus que produz confusão entre a sua providência e os padrões presentes no universo. Precisamos nos lembrar, portanto, de que Deus muitas vezes cura por meio de remédios; provê pão através do trabalho; protege por intermédio das forças de segurança no país, etc. Enfim, não há oposição entre a sua atuação ordinária e extraordinária. Ambas vêm dele. Ambas são sua providencia em ação no universo. Nossa tarefa é olhar para a realidade à nossa volta e reconhecermos, em tudo, seu agir.  
  1. A Palavra de Deus precede à nossa percepção da realidade. Outro ponto importante é nos lembrarmos de que a Palavra de Deus precede à realidade criada e, portanto, tem a afirmação última sobre ela. Na prática, isso significa enxergarmos a realidade à luz das Escrituras e não o contrário. Nós não vamos às nossas experiências, ou ao que a ciência diz sobre o universo, para conhecermos a Deus. Nós vamos a Deus para conhecermos a nós mesmos e tudo aquilo que ele criou. Então, quando nos depararmos com padrões ordinários do universo, que nos pareçam mecânicos e frios, precisamos nos lembrar de que cada um deles estão submetidos ao decreto do Criador.

Enfim, nem sempre é fácil olharmos à nossa volta e percebermos que tudo o que existe e acontece está em plena obediência à voz que os criou. Por vezes, a regularidade/mecanicidade das coisas nos incomodam. Contudo, olharmos para além do ordinário é o que Deus espera de seus filhos. Afinal, ele é o Deus (extra) ordinário.

Eron Franciulli C. Júnior

[1] https://super.abril.com.br/saude/em-que-hora-acontecem-mais-enfartes/

[2] Confissão de Fé de Westminster, Cap.5 – §2.

0 Comments

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *