O que há por trás do Descontentamento?

O que há por trás do Descontentamento?

Diferente daqueles que não possuem esperança e vivem sem Deus nesse mundo, o cristão é reconhecido pelo seu contentamento. Essa atitude é exemplificada pelo apóstolo Paulo (cf. Filipenses 4.9-11) e ordenada pelo escritor de Hebreus (cf. Hebreus 13.5). Contentamento pode ser definido como o espírito manso e submisso a Deus, independente das circunstâncias, pois o mesmo reconhece que nada ocorre contrário à providência e controle soberano do Bondoso Senhor.

Em harmonia com o que foi dito acima, é bom lembrar que o inferno é um lugar de descontentamento perpétuo. As pessoas no inferno devem estar sempre bravas, nunca em paz, sempre frustradas e nunca satisfeitas. Esse parece ser o significado das palavras de nosso Senhor Jesus acerca do “choro e ranger de dentes” (cf. Mateus 8.12, 13.42). Contrário a isso, o céu será um lugar de eterna alegria e contentamento, pois “já não haverá luto, nem pranto, nem dor” (cf. Apocalipse 21.4).

Todavia, viver contente em toda e qualquer situação é uma luta! Talvez ajude, nessa batalha, considerar não apenas a virtude do contentamento, mas os problemas existentes por trás do descontentamento. Quem sabe uma reflexão sobre defeito acabe contribuindo para o cultivo de uma virtude!

Há três pecados que permanecem detrás do descontentamento: orgulho, rebeldia e descrença. Deve se lembrar que estes foram os pecados originais do diabo e seus anjos e por isso são pecados que vêm do próprio inferno e acabam “infernizando a vida das pessoas descontentes”. Logo, vejamos como eles estão associados ao descontentamento.

  1. O descontentamento é uma manifestação de orgulho

Judas escreve, em sua carta, que os ímpios “são murmuradores, são descontentes, andando segundo as suas próprias paixões. A sua boca vive propalando grandes arrogâncias” (Judas 16). Dessa forma, o escritor bíblico conecta descontentamento com arrogância e orgulho.

De fato, o descontentamento flui de um coração que diz: “Eu mereço melhor do que Deus me deu”! E segundo as Escrituras, orgulho foi o pecado original do próprio Satanás (cf. 1Timóteo 3.6). Nesse sentido o puritano Thomas Boston disse: “O diabo é a criatura mais orgulhosa e mais descontente porque o orgulho e o descontentamento ficam sob um mesmo teto”.

A satisfação vem de saber que em Jesus Cristo você tem tudo que precisa. Além do mais, o cristão tem consciência de que Deus lhe deu abundantemente mais do que ele poderia merecer. O que o ser humano merece é o inferno na terra seguido pelo inferno na eternidade. Mas por seu amor e graça, Deus entregou o Seu Filho em favor daqueles que nele creem.

Também, as Escrituras ensinam que Deus nos abençoou com toda benção espiritual em Cristo. Ele nos concede tudo o que é necessário para a vida e piedade (2Pedro 1.3). Em todas as circunstâncias o amor e o cuidado de Deus sustentam seus filhos e lhes concede sua companhia.

  1. O descontentamento é uma expressão de rebeldia

No Antigo Testamento, temos a história de Jó, um homem bom e piedoso que foi grandemente abençoado por Deus. Sua família foi abençoada, seu negócio foi abençoado e sua influência se estendia sobre as pessoas que o conheciam. No entanto, em determinado dia, após uma série de desastres, ele perdeu tudo e em meio à sua dor Jó disse: “O Senhor deu, e o Senhor tirou; bendito seja o nome do Senhor”! (Jó 1.21).

O problema é que a pessoa descontente sempre diz algo diferente daquilo que Jó proferiu. O descontente geralmente verbaliza: “O Senhor deu, mas ele deveria ter dado mais”, ou “o Senhor tirou o que eu tinha, e ele não deveria ter feito isso”. Em outras palavras, o descontente se coloca como juiz do próprio Deus. Ele geralmente coloca deus no banco dos réus e dita o veredito de condenação!

O fato é que o descontentamento é uma expressão de rebelião contra Deus. O apóstolo Paulo questiona veementemente essa atitude. Em Romanos 9.20 ele diz: “quem és tu, ó homem, para discutires com Deus?! Porventura, pode o objeto perguntar a quem o fez: Por que me fizeste assim”? Em outras palavras, essa atitude não é apenas orgulhosa, mas rebelde, pois se recusa a aceitar o que Deus concede! É como se a pessoa estivesse dizendo: “Se não for o eu quero, então não aceito”!

  1. O descontentamento é fruto da incredulidade

Essa verdade é claramente ilustrada por um evento registrado em Êxodo 17. Naquela ocasião, o povo de Deus havia sido grandemente abençoado com a libertação do cativeiro egípcio e, por Deus, era conduzido rumo à Terra Prometida. Naquele percurso, Deus alimentou o seu povo com o “maná” no deserto. Todavia, quando a multidão chegou a um lugar onde não havia água, a maioria reagiu dizendo: “está o Senhor no meio de nós ou não”? (Êxodo 17.7).

Essa história é muito interessante, pois o povo de Israel havia sido grandemente abençoado por Deus e ainda assim não reconheceu o cuidado do Senhor. Não é interessante observar que aqueles que são mais abençoados tendem a murmurar e se sentirem descontentes quando suas expectativas não são satisfeitas? Talvez porque tenham recebido tanto e estão tão acostumados a grandes quantidades que não possuem qualquer paciência ou perseverança durante as estações de escassez.

Também é importante lembrar que o povo se inquietou com a falta de água, o que poderia ser uma preocupação legítima, mas a reação daquelas pessoas foi totalmente pecaminosa. De fato, há momentos na vida quando podemos ter preocupações legítimas sobre como Deus irá fornecer o que precisamos. O problema é que a preocupação legítima dos israelitas se transformou em incredulidade, pois eles questionaram a realidade de Deus entre eles. Semelhantemente, em momentos de descontentamento é provável que os servos do Senhor questionem o seu amor, sua providência e o seu cuidado. Logo, descontentamento pode ser, também, expressão de incredulidade.

Concluindo, o descontentamento é mais sério do que geralmente consideramos. O crente piedoso desejará crescer no contentamento e satisfação com a porção que Deus lhe tem concedido. Para tanto, é preciso lembrar, no mínimo, três verdades:

  • A paz na vida vem de saber que tudo o que lhe diz respeito está nas mãos do Salvador que o ama;
  • A satisfação reside em saber que em Jesus Cristo você tem tudo que você precisa;
  • A confiança começa quando você sabe que ele é Fiel, e aqueles que olham para ele nunca são envergonhados.

Que o Bondoso Senhor abençoe a você e a mim nessa luta em prol do contentamento!

Pr. Valdeci Santos

0 Comments

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *