O Sabor do Pudim

O Sabor do Pudim

“Oh! Provai e vede que o Senhor é bom; bem-aventurado o homem que nele se refugia” (Sl 34.8)

Provavelmente, você já ouviu a expressão: “Só a experiência comprova”. Existe um provérbio inglês, muito usado no século XIII, que em outras palavras nos leva ao mesmo entendimento. Ao ser literalmente traduzido diz:  “A prova do pudim está no ato de comer”. O significado é bem óbvio: o melhor teste para se saber se um prato foi bem preparado é provando-o.

Esse provérbio é especialmente verdadeiro quando aplicado à confiança em Deus. É certo que o verbo “provar” do versículo acima não se refere a experimentar alguma comida ou bebida, mas a buscar comunhão íntima com o Senhor. De fato, o ato de experimentar o Senhor está mais ligado ao conhecimento da sua verdade por meio de sua Palavra e daquilo que ele faz por nós. Conhecer melhor a Deus e desfrutá-lo cada vez mais é privilégio dos seus servos, e esse fato torna-se uma experiência ímpar no nosso relacionamento diário com Deus, através de Cristo Jesus.

Algumas pessoas podem se equivocar pensando que experimentar a bondade de Deus nos isenta de problemas. Isso não é verdade! Porque em meio a tribulações podemos vivenciar o cuidado, a proteção e a bondade de Deus. Então, como poderemos experimentar a sua bondade? Para que compreendamos isso, será preciso entender que Deus é bom na acepção metafísica da palavra, ou seja, é perfeição absoluta e felicidade perfeita em Si mesmo (Mc 10.18). Por essa razão, pode ser chamado de “a fonte de todo o bem”. Deus é o manancial inexaurível de bondade, “o sumo bem”.

Vejamos alguns aspectos da bondade de Deus e como ela se manifesta: [1]

  1. A bondade geral: Através dela, Deus atende a todas as criaturas. “O Senhor é bom para todos, e as suas ternas misericórdias permeiam todas as suas obras” (Sl 145.9). Deus visita cada ser humano, dando a eles chuvas, estações frutíferas, fartura e alegria (At 14.17).
  2. A bondade através do amor: Estritamente relacionada à bondade está o amor permanente de Deus. Como distinção da bondade geral, o amor de Deus pode ser definido como a perfeição de Deus pela qual Ele é movido eternamente à Sua própria comunicação. Ou seja, Ele se comunica com o homem no sentido mais rico e completo, com toda a plenitude de sua graça e misericórdia (Rm 5.8). O ápice dessa comunicação se revela no fato de ter Cristo se encarnado, manifestando assim o amor de Deus aos homens (Jo 1.1-14).
  3. A bondade através da graça: A bondade de Deus é muito mais gloriosa quando é mostrada àqueles que só merecem o juízo. Por isso, ela recebe o nome de graça. A graça de Deus é a fonte de todas as bênçãos espirituais concedidas aos pecadores. Pela graça, o caminho da redenção foi aberto (Rm 3.24); através da graça recebemos o dom de Deus em Cristo (Ef 2.8); somos enriquecidos de bênçãos espirituais (Jo 1.16) e é pela graça que herdamos a salvação (Tt 2.11).
  4. A bondade através da misericórdia: A bondade de Deus, quando mostrada àqueles que estão em miséria, é chamada de misericórdia. Ela é grande e sem fim (Lm 3.22). Mesmo diante das atitudes dos homens, Deus derrama a sua terna misericórdia como um pai (Sl 103.13). A misericórdia de Deus se revelou em Cristo, o sumo sacerdote e o Cordeiro que proporcionou a salvação dos seus eleitos (Ef 2.4-6).
  5. A bondade através da longanimidade: A bondade de Deus que trata com clemência aqueles que merecem castigo é chamada de paciência ou longanimidade. Ela se manifestou ao longo do tempo antes de Cristo (Rm 3.25) e ainda hoje é, frequentemente, revelada aos pecadores ((Rm 2.4).

Portanto, podemos experimentar a bondade de Deus a cada momento de nossa existência. Os que foram alcançados por Cristo Jesus, além de utilizarem de toda a bondade do Senhor manifesta na criação, têm ainda o privilégio de desfrutar da plenitude da bondade quando estão em comunhão com o Sumo Bem – o próprio Deus.

Pr. Fábio B. Coutinho

[1] Teologia Sistemática – Louis Berkhof; Dogmática Reformada – Herman Bavink; Compêndio de Teologia Apologética – François Turretini.

One Comment

  1. Maria Terezinha Borges Coutinho

    Experimentar a bondade e misericórdia de Deus, é Divino é perfeito.é sentir Deus te carregando no colo
    nos momentos de maiores aflições.

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *