Pense Positivamente

Pense Positivamente

Muito se fala em nossos dias sobre a importância do pensamento positivo. Os principais nomes do segmento – Wallace Delois Wattle[1], Rhonda Byrne[2], entre outros – através de seus livros, abordam o assunto de forma enfática, procurando relacioná-lo à atração de coisas boas e, consequentemente, ao bem-estar pessoal e à qualidade de vida.

Embora a neurociência trate a questão com muita cautela, uma vez que essa relação tem se mostrado cientificamente improvável[3], é visível o aumento de vídeos, livros, artigos e revistas oferecendo dicas para aqueles que desejam engajar-se nesse exercício mental. Basta uma rápida pesquisa no Google e você encontrará material de estudo para muito tempo.

Contudo, essa tendência contemporânea sobre pensar positivamente está correta à luz da Bíblia? Teria o pensamento positivo por si só, como propõem os autores citados acima, poder para transformar a realidade a nossa volta? Nós deveríamos nos disciplinar nesse exercício diário de mentalizar boas coisas? Enfim, existe alguma orientação bíblica a respeito do que devemos pensar?

Creio que nas Escrituras Sagradas há vários textos que abordam, direta ou indiretamente, a questão e por isso podem nos ajudar a entendê-la melhor, dando-nos diretrizes para o tema. Sendo assim, proponho abaixo cinco reflexões bíblicas sobre os nossos pensamentos. Elas certamente no esgotam o assunto, mas servem de reflexão introdutória à questão.

  1. Nossos pensamentos não podem, misticamente, mudar as circunstâncias. Ao contrário do que a teoria do pensamento positivo afirma, nossos pensamentos, por melhores que sejam, não podem por si mesmos transformar as circunstâncias a nossa volta. A Palavra de Deus diz que aquilo que pensamos é, de fato, muito importante (Fp 4.8), mas em hipótese alguma afirma que tais pensamentos mudam, de modo místico, nossa realidade. É a mente do Senhor que controla o universo, não a nossa (Is 40.13,14; Rm 11.33-36). Portanto, mentalizar algo incessantemente não o atrairá milagrosamente a você.
  2. Nossos pensamentos podem, em certo sentido, influenciar as circunstâncias. O que os nossos pensamentos podem fazer, então, é influenciar indiretamente nossa realidade, no sentido de que eles influenciam diretamente nossos hábitos e comportamentos (Dt 15.7-11). Uma vez que mudamos nosso modo de pensar sobre determinado aspecto da vida, passamos a agir de modo diferente em relação a ele. Consequentemente, temos maior probabilidade de colher resultados diferentes aos anteriores (Gl 6.6-10). Não há nada de místico nesse processo.
  3. Nossos pensamentos não são neutros. A Bíblia nos ensina que tudo o que pensamos, sentimos ou desejamos vêm de um lugar chamado coração (Pv 4.23). Contudo, esse coração foi corrompido pelo pecado (Jr 17.9), na queda do ser humano (Gn 3). Desse modo, os nossos pensamentos também experimentam corrupção. Na prática, isso significa que podemos ter ótimos pensamentos e ainda sim tê-los a partir de inclinações pecaminosas – rebeldes ao Criador. Nesse sentido, até mesmo um pensamento que achamos positivo pode ser, na verdade, negativo.
  4. Nossos pensamentos são campo de batalha. Além de não haver neutralidade no modo como pensamos por causa de nosso coração pecaminoso, ainda temos que lidar com um inimigo que faz de nossa mente um verdadeiro campo de batalha, sugerindo constantemente pensamentos mentirosos a respeito de Deus, do próximo e de nós mesmos (Ef 6.16). Agora, se atraíssemos o que pensamos, o que seria de nós naqueles dias em que enfrentamos batalhas ferrenhas na mente?
  5. Nossos pensamentos devem estar cativos a Cristo. O modo de lidarmos com uma mente inclinada ao pecado e incendiada pelos dardos inflamados de Satanás é submetê-la diariamente ao senhorio de Cristo (2Co 10.4-6). Certamente, esse não é um exercício fácil, mas é o único exercício realmente “positivo” capaz de nos dar paz de espírito. Esse exercício pode ser amplificado se memorizarmos as verdades do evangelho, contidas nas Escrituras, e as usarmos contra os pensamentos indevidos.

Enfim, pensar positivamente nem sempre é pensar corretamente. Somos orientados a pensar biblicamente e isso significa pensar em “…tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama…” (Fp 4.8). O benefício de se pensar assim é ter “…a paz de Deus, que excede todo o entendimento [guardando nossa] mente em Cristo Jesus” (Fp 4.7).

Eron Franciulli Coutinho Jr

 

[1] Autor do livro “A Ciência para Ficar Rico”.

[2] Escritora do best-seller “O Segredo” – um dos principais livros do segmento.

[3] https://super.abril.com.br/historia/pensamento-positivo.

0 Comments

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *