POR QUE NEM SEMPRE DEVEMOS “SEGUIR O CORAÇÃO”?

POR QUE NEM SEMPRE DEVEMOS “SEGUIR O CORAÇÃO”?

Todos ao redor parecem dizer a mesma coisa: “Siga o teu coração”! Alguns, até elaboram esse conselho em termos filosóficos, como faz Augusto Branco, que diz: “Siga o teu coração. Se você seguir teu coração, mesmo que você não acerte, você nunca estará errado!”. Semelhantemente, Clarice Lispector justifica suas escolhas dizendo: “Não me mostre o que esperam de mim porque vou seguir meu coração, não me façam ser o que não sou”. Até o grande Jedi, Obi-One Kenobi, em determinado momento do filme Guerra nas Estrelas instruiu o jovem Luke Skywalker a fazer o que ele sentia ser o certo.[1] Enfim, parece haver um consenso contemporâneo de que seguir o coração é um passo de sabedoria.

No entanto, o ensino bíblico a esse respeito contradiz a opinião popular. O livro de Juízes, por exemplo, deixa claro que quando cada um fazia o que achava mais reto em Israel a nação quase desapareceu. O caos imperou (cf. Jz 17.6; 21.25)! Além do mais, há vários argumentos bíblicos que contrariam o conselho de seguir o coração. Dentre esses princípios, destaco apenas cinco claramente expressos em alguns versículos.

  1. “Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto; quem o conhecerá?” (Jr 17.9). Deve ser observado que esse versículo não diz apenas que o coração é enganoso, mas desesperadamente corrupto. Por isso, há riscos em simplesmente “seguir o coração”.
  2. “O caminho do insensato aos seus próprios olhos parece reto, mas o sábio dá ouvidos aos conselhos” (Provérbios 12.15). Ignorar o conselho de outras pessoas e ser guiado apenas pelo coração, segundo esse verso, é expressão de insensatez. As pessoas ao nosso redor podem nos oferecer a dose de objetividade necessária para não agirmos tolamente.
  3. “Há caminho que ao homem parece direito, mas ao cabo dá em caminhos de morte” (Provérbios 14.12). Outro problema de “seguir o coração” é o fato de não conhecermos o destino dos caminhos que escolhemos. Como não conseguimos analisar esses caminhos por diferentes ângulos, geralmente ficaremos surpresos com o destino que eles nos levam.
  4. “O que confia no seu próprio coração é insensato, mas o que anda em sabedoria será salvo” (Provérbios 28.26). Aqui está o problema da insensatez: ela não é uma falta intelectual, mas moral! O problema do insensato é que ele é orgulhoso demais para buscar sabedoria fora de si. Dessa forma, a única coisa que ele confia é o seu próprio coração.
  5. “Confia no SENHOR de todo o teu coração e não te estribes no teu próprio entendimento” (Provérbios 3.5). Nosso entendimento e sentimentos próprios podem nos levar a desviar daquilo que Deus quer para nós. Por isso, a melhor coisa a fazer com o nosso coração é motivá-lo a confiar em Deus em todo o tempo.

Dessa maneira, a próxima vez que alguém lhe aconselhar a “seguir o seu coração”, responda que você segue aquele que é mais Sábio do que o seu coração. E em todo o tempo, descanse o seu coração no Senhor!

Pr. Valdeci Santos

[1] Episódio IV – A new hope

2 Comments

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *