Qual o Problema em Viver para Ser Feliz?

Qual o Problema em Viver para Ser Feliz?

“Porque o meu povo cometeu dois males: abandonaram a mim, a fonte de água viva, e cavaram cisternas, cisternas rachadas, que não retêm as águas”. (Jr 2.13)

Do sertanejo universitário aos livros de autoajuda; do filme à propaganda de margarina na tevê. Não é preciso muito esforço para percebermos que a cultura secular está saturada de sugestões a respeito de onde podemos encontrar verdadeira felicidade.

Não bastasse o grau de subjetivismo nesses conselhos, devido às divergentes opiniões dos influencers “especialistas” no assunto, o ansioso por felicidade precisa lidar com um problema ainda mais sério: o sentido último de sua própria existência reduzido aos prazeres momentâneos.

A cultura secular não apenas tenta oferecer caminhos à felicidade; ela diz, a valer, que ser feliz é o único sentido da existência humana. Não há nada mais elementar do que isso. Então, carpe diem. O problema, como colocou Timothy Keller, é que se o único sentido da vida está em ser feliz, o sofrimento destrói o sentido da existência. Desse modo, como sofrer é inevitável – a todos – mais cedo ou mais tarde, os que pela felicidade vivem, na primeira onda verão seus castelos de areia ruírem. Não há escapatória.   

É claro que não há nada de errado em almejar felicidade. O problema se encontra em almejá-la à parte do Criador. Nunca experimentaremos verdadeira felicidade enquanto não saciarmos nossa sede de identidade, valor e significado em Deus. Na verdade, ao contrário do que a cultura secular propõe, não experimentaremos felicidade plena nesse mundo. Jesus já disse isso (Jo 16.33).

Desse modo, depositar o sentido da existência nos prazeres efêmeros de um mundo quebrado e disfuncional é como tentar beber água em um poço rachado: a água escorre e a sede permanece, além de aumentar cada vez mais. Assim, viver para ser feliz sem considerar a Fonte de toda a alegria é justamente trilhar o sentido contrário, rumo à infelicidade.

Eron Franciulli Coutinho Jr   

0 Comments

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *