Tenha uma vida consciente da vontade de Deus

Tenha uma vida consciente da vontade de Deus

novosmembrosTenha uma vida consciente da vontade de Deus


 

A cada instante tomamos decisões, grandes ou pequenas, com um nível maior ou menor de consciência ou tempo de reflexão. Decisões relacionadas às nossas atividades cotidianas ou relacionamentos, todas elas envolvendo uma decisão moral, se ela é agradável a Deus ou não, conforme sua Palavra. Não podemos fugir disso, pois como seres morais criados por Deus que somos, uma vida consciente é-nos exigida. Embora, por vezes, fazemos coisas irrefletidamente, como um marido tratando a esposa com grosseria sem se atentar muito para os efeitos disso, um jovem que não tem considerado sobre o estilo de vida que escolheu para si, pais atarefados demais para dar atenção a seus filhos, pessoas que gastam seus recursos financeiros sem avaliar a realidade econômica que vive, são apenas alguns exemplos.

Na verdade, viver nesse “modo automático” parece uma solução fácil. E é possível que seja uma escolha consciente. Visto que não exige de nós aquele esforço da avaliação da nossa vida, nem exigirá mudança em nossos hábitos, ou fará com que percebamos nossos erros ou, ainda, demandará com que nos importemos mais com as pessoas que nos cercam.

Um agravante a isso é quando somos parciais na avaliação bíblica sobre as questões que nos envolvem, nos apegando apenas a textos que parecem contribuir com nosso estilo de vida. Por exemplo, uma pessoa que trabalha excessivamente, ao ser questionada, rapidamente poderá citar um provérbio que condena a preguiça e valoriza o trabalho (Pv 6.6-11); também, um marido autoritário saberá rapidamente mencionar um texto que fale de sua autoridade como marido (Ef 5.22). E, com isso, buscamos conhecer as Escrituras apenas para justificar nosso próprio modo de vida, ao invés de sabermos como Deus deseja que vivamos.

Porém, tanto a irreflexão quando a parcialidade mencionadas acima, por mais que pareçam caminhos viáveis, seu fim é trágico, como ensina Provérbios 16.25: “Há caminho que parece direito ao homem, mas afinal são caminhos de morte.”. Viver ao nosso bel-prazer certamente não é a vontade de Deus para nós, tampouco nos fará verdadeiramente felizes ou nos proporcionará sermos pessoas que abençoam os que se relacionam conosco.

Como servos de Cristo, ao contrário, somos chamados a imitá-lo (1Co 11.1), fazer todas as coisas para a glória de Deus (1Co 10.31), viver de acordo com a vontade do Senhor revelada em sua Palavra (1Pe 4.2). E isso, evidentemente, em cada decisão que envolve nossa vida, a cada instante.

Para que caminhemos nessa direção, algumas atitudes que envolvem nossa disposição precisam ser consideradas, certamente na dependência da graça de Deus:

1. Tenha coragem de conhecer toda a vontade de Deus, lendo toda sua Palavra. Somente a avaliação uma determinada decisão que leve em conta a totalidade do ensino das Escrituras será adequadamente considerada; por exemplo, a mesma Bíblia que condena a preguiça (Pv 6.6-11), condena o trabalho excessivo para acúmulo de riquezas (Lc 12.15).

2. Tenha coragem de avaliar sua própria vida à luz da Palavra de Deus. Como estou tratando meu cônjuge? Meus filhos estão sendo cuidados por mim, não apenas econômica ou intelectualmente, mas inclusive emocional e espiritualmente? O meu estilo de vida, o modo como uso meus recursos, o tipo de entretenimento que escolho, meus relacionamentos com pessoas do sexo oposto etc., tem como propósito a glória de Deus? O que, em mim, está produzindo conflitos nos meus próprios relacionamentos? As perguntas são inúmeras, e precisamos perder o medo de fazê-las.

3. Tenha coragem de se arrepender sinceramente. Arrependimento genuíno é marcado confissão sincera de pecado e disposição genuína de mudança, por isso, confesse seus pecados diante de Deus e se dispondo à mudança conforme sua vontade. Ainda, não seja generalista, trate cada área de sua vida ou atitude particularmente; por exemplo, ao invés de dizer: “Deus, perdoe-me por não ser um bom marido”, diga: “Deus, perdoe-me porque eu fui indiferente à data nossa data de casamento” – e, como demonstração de desejo real de mudança, crie um lembrete na sua agenda para uma semana antes da data para dar tempo de programar algo ou comprar uma lembrança; e outro para o dia, caso não esquecer mais!

4. Tenha coragem de buscar ajuda em sua igreja. Você sabia que uma das tarefas importantes de seu pastor e de seus presbíteros é auxiliá-lo na sua caminhada cristã (1Pe 5.1-4), e isso inclusive por meio do aconselhamento? Pois parece que muitos cristãos não sabem mais disso, ou estão vivendo numa perspectiva tão individualista que não consideram expor suas fraquezas aos seus próprios líderes. Além deles, há ainda outras pessoas maduras e sábias que Deus colocou ao nosso lado na igreja para nos consolarmos e edificarmos mutuamente (1Ts 5.11).

5. Tenha coragem de confiar em Deus. Ele nos prometeu que nos perdoaria dos nossos pecados se nos arrependêssemos (1Jo 1.9); que nos transformaria dia a após dia, fazendo-nos semelhantes a Cristo (2Co 3.18); que nos daria a verdadeira paz na comunhão com ele (Jo 14.27). Portanto, não duvide do caráter de Deus, suspeitando da validade de suas promessas; também, ão tenha medo de provar que o Senhor é bom (Sl 34.8).

Que o Senhor Deus o abençoe e o ajude a ter uma vida em conformidade com a vontade dele. Primeiramente, para que o próprio nome dele seja glorificado. Mas também para que você possa experimentar verdadeira paz e alegria, bem como ser uma pessoa que abençoa aqueles que estão a sua volta.

0 Comments

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *