Uma Fé para todas as gerações

Uma Fé para todas as gerações

geracoesUma Fé para todas as gerações


 

“Abraão, esperando contra a esperança, creu…” (Rm 4.18)

No filme “Anjos e Demônios” o personagem Robert Langdon (Tom Hanks), numa conversa com o padre, chamado pela função de carmelengo, diz: “Fé é um dom e eu não fui agraciado por ele”. Ele afirmava não crer em determinadas coisas e, em última instância, no próprio Deus.

Diferente daquele personagem fictício do filme, a pessoa real de Abraão revelou uma fé verdadeira em Deus. O testemunho de fé de Abraão atravessou gerações e chegou até nós. Não é por acaso que ele é chamado de “o pai da fé”. Olhando para o testemunho daquele servo do Senhor, somos desafiados a ousar e confiar mais no Deus supremo e Todo Poderoso.

Mas o que é fé? Em Hebreus 11.1 lemos: “Ora, a fé é a certeza de cousas que esperam, a convicção de fatos que se não vêem”, e nesse mesmo capítulo, podemos acompanhar os relatos de fé de homens como Abel, Enoque, Noé, Abraão, Isaque, Jacó, José, Moisés e outros irmãos do passado que nos deixaram um legado tão bonito.

A respeito da fé quero destacar:

1) A fé precisa estar centrada na Pessoa certa: Não adianta ter fé em si mesmo, no outro, fé na própria fé ou em qualquer coisa ou pessoa. A Bíblia diz que Abraão creu em Deus. Foi no Senhor que ele lançou a sua confiança, nas mãos daquele que é maior do que tudo e do que todos, no único capaz de fazer diferença em sua vida.

2) A fé não se intimida pelas circunstâncias: Abraão não se intimidou com o ambiente a sua volta. Ele saiu de sua terra, do conforto de seu lar, do aconchego de sua parentela e partiu para uma terra que ainda não conhecia. (Gn 12.1). Abraão não ficou olhando ao redor; antes fitou os olhos na pessoa de Deus.

3) A fé desafia paradigmas: Paradigmas, são modelos ou padrões conhecidos e pré- estabelecidos por nós ou por outros como conceito e conduta de vida. Abrão entendeu, deu crédito e confiou em Deus, abandonando assim, seus próprios conceitos, sua forma de conduzir a vida, lançando-se nos braços e nas promessas do Senhor.

4) A fé desafia a própria esperança: “Abraão, esperando contra a esperança, creu…” Não significa que ele tivesse sua fé na própria esperança, mas que Abraão exercia sua fé esperando pela promessa do Deus que não mente, mas que cumpre suas promessas mediante sua própria fidelidade.

5) A fé é dom de Deus: O próprio Senhor planta no coração do homem a semente da fé. (Ef. 2.8) Seria impossível ao homem crer nas verdades de Deus se este dom não fosse implantado em seu coração pelo próprio Criador. Segundo L. Berkhof “a semente desta fé é implantada por Deus no coração na regeneração, e só depois que Ele a implanta no coração é que o homem ativamente pode exercer a fé”.

Depois de refletir sobre essas características da fé, é provável que lamentemos as deficiências da própria fé. Se esse for o caso, lembro que, como os discípulos fizeram, podemos também orar a Jesus: “Aumenta-nos a fé”